Testemunho Ana Isabel

Ana Isabel

“Olá! Sou a Ana Isabel, tenho 26 anos e sou obesa. Mas nem sempre fui assim.”

Olá! Sou a Ana Isabel, tenho 26 anos e sou obesa. Mas nem sempre fui assim.


Durante a maioria do meu percurso académico (até ao 11º ano) pratiquei desporto. Várias modalidades tais como futebol e voleibol. Considerava-me uma pessoa muito ativa. No ano seguinte, deixei de praticar exercício (incluindo educação física) e, como tal, apareceram os primeiros 10 kg. Passei de 59 kg para 70 kg num abrir e fechar de olhos.

Já em 2012, deu-se a maior reviravolta da minha vida. Após o falecimento da minha mãe em apenas 3 meses, saí da minha ilha e fui estudar para Coimbra. Estar longe da família e dos meus amigos nunca foi fácil.

Sendo caloira na Cidade dos Estudantes, não poderia ficar ausente de tudo aquilo que a cidade oferecia. Foram muitas noitadas e muito álcool, associados a uma vida boémia de quem queria esquecer as coisas más da sua vida.


Vivia numa residência universitária onde, sem nos apercebermos, éramos influenciadas pelos comportamentos das outras pessoas. Muitas vezes, íamos comer a algum lugar, só porque alguém queria (e não queríamos fazer a desfeita), tornando-se assim num círculo vicioso e nada saudável. Fomos todas prejudicadas e apercebemo-nos disso. Inscrevemo-nos no ginásio de forma a incentivarmo-nos mutuamente. Resultou, durante um mês ou dois.


Em cinco anos de universidade, para além de me tornar professora, tornei-me obesa. Enquanto as pessoas comparam as médias/notas, eu comparo os quilos. Entrei com 70, saí com 100.

Terminei o curso e, juntamente com o meu namorado, mudei-me para Matosinhos. Ele trabalha, eu não. Passo o dia todo em casa. E o que é que faço todo o dia em casa? Para além das tarefas domésticas, muita comida e jogos de computador.


De tempos a tempos, decido ir fazer uma caminhada. Nem que seja para arejar as ideias e apanhar um pouco de sol. E, com isto tudo, continuo a pagar o ginásio que não frequento. E porquê? Por vergonha. Por sentir-me observada e por pensar que estou a fazer tudo mal. Coisas da minha cabeça? Talvez.


Por diversas vezes, tentei alterar a minha alimentação e introduzir um pouco de exercício físico. No máximo perdia 4kg. Mas após a restrição alimentar que incutia, acabava sempre por enjoar a comida e voltava à estaca zero.


Sempre disse que preciso de alguém ao meu lado para me ajudar a estar focada nos meus objetivos. Um dia destes alguém muito sábio, disse-me que tenho de ser eu a ter força. A querer atingir resultados.

E assim entro nesta aventura. Não apenas com o objetivo de perder peso e melhorar a minha alimentação, mas também de me tornar uma pessoa mais forte e determinada.